2011-12-20

Na baixa do Porto...

Gastrobares é um grande conceito, um neologismo alucinado ou... apenas uma moda? Time will tell... Aqui são mencionados o Max e o Book... Mas o Wilson ou o Trasca não são de esquecer...

2011-12-19

Artigos a ler?

Homenagem a um dos maiores Europeus do Séc. XX

Haja um caminho e os Europeus saberão caminhar, mesmo sem dominar o mundo… essa uma das lições do século XX… Churchill, mas também Havel, deixam-nos esse legado…

O fim do Império... o Capítulo 1

Goa há 50 anos: o dia em que a paciência da Índia chegou ao fim

2011-12-18

Positivas: mais uma edição desta rubrica :-)

Histórias que vale a pena ler... num Livro fortemente recomendado :-)


Turismo em alta? ... no Boas Notícias: um webjornal a q vale a pena estar atento :-)


E nas energias eólicas? Turbinas no mar? Um velho projecto... será possível? Portugal na vanguarda... E com empresas inovadoras e abertas ao mundo: Megajoule...

O convite à emigração

É verdade que Portugal foi maior quando "partiu". É verdade que, só no último século, por duas vezes resolvemos as nossas dificuldades internas com emigração (nos anos 20, com destino sobretudo ao Brasil; nos anos 60 e 70, com destinos variados, sobretudo Europeus, com França, Alemanha, Luxemburgo e Suiça à cabeça). 


É verdade que, só nos últimos três meses, e só para o Brasil, partiram quase 50 mil portugueses. É verdade que muitos portugueses, qualificados e não qualificados, perante as expectativas negras em termos de emprego e de negócios, estão a emigrar. 


Mas que o Governo, já não apenas através de Ministros mas até pela voz do Primeiro Ministro, proponha aos seus cidadãos que vivem no país que Governa -- porque se candidatou a assumir essa responsabilidade - que emigrem, é algo que merece séria reflexão. 


Este "convite" marca o fim da política. Esta sugestão, na voz de um líder do Governo, significa que Passos Coelho e o Governo que dirige assumem publicamente a sua incapacidade de propor soluções, e a sua descrença no país. Se Passos ‘convida’ professores desempregados a emigrar, então deveria demitir-se... 


Nenhum país, nenhuma nação, nenhuma população aceita sacrifícios sem horizonte de esperança. E é isso que Passos Coelho assume não existir... apagou de vez a "luz ao fim do tunel", mesmo quando, um pouco "à Sócrates" já vaticina crescimento em 2013 e já promete queda de impostos em 2015 


Ora:um Primeiro Ministro que, há dias, admitia que nenhum esforço adiantaria se situação Europeia não evoluir favoravelmente - algo em que tem razão - sabe também que estas profecias positivas são mera demagogia... Pior: os Portugueses já o compreenderam, e não se "animam" perantes estas declrações, pois ouvem promessas de "fim da crise" de governantes há 3 anos de modo contínuo... E no dia seguinte novos pedidos de austeridade e manifestações de dúvida..


Falta em definitivo um caminho...


PS: até Marcelo afirma "Portugueses não querem primeiro-ministro que lhe diga "emigrem para o estrangeiro"

2011-12-17

Quem...

Infelizmente parece que anda demasiada gente com valores e prioridades trocadas...

Finalmente leio ou escuto um órgão de comunicação social que faz a pergunta certa... aquela que se centra nas PESSOAS... nos seres humanos... Só pelo título, vale a pena ler: Quem mora no bairro do Aleixo?

Sobre desorientação e desgoverno, digna dos ditados populares...:
- pelo vistos quem não berra não mama ou, traduzido noutros termos, o Estado não é pessoa de bem e não paga, mas se fizermos barulho... e as televisões estiverem lá... ele paga! (ou bem que havia dinheiro e se pagava, como devido, ou bem que nã havia e então infelizmente a choradeira não devia ter resultados... agora andar a reboque de manifestações .... é dar ainda mais poder às televisões...) - não se contesta pagamento, que é devido, mas lamenta-se o modo e momento em que ele é conseguido...
- outro ditado aplicável é o famoso "contar com o ovo no cu da galinha"... não devemos presumir pelo "outro"... são pessoas, e pessoas com livre arbítrio, felizmente.

Já agora, e por falar em PESSOA: o prémio com o nome do poeta não poderia ser mais bem atribuído. Eduardo Lourenço é um dos nossos maiores pensadores. Falta agora Adriano Moreira... Nota: logicamente, esta notícia é sobre pessoas com prioridades, ideias e valores "em ordem"

2011-12-14

Portugal...

Portugal é o terceiro país da Zona Euro mais pobre

Um país sem esperança??

Li num comentário facebook: “A recondução da administração socialista do Hospital de Viana do Castelo é uma bofetada do governo no PSD de Viana e no bom resultado que obeteve nas Legislativas. É inqualificável a decisão do burocrata Paulo Macedo.”…

Pasmado, chocado, até por ser escrito por uma jovem, comentei: “não conheço a história ou o trabalho da Administração desse Hospital... Mas julgar a ação do governo por não nomear alguém do "partido" e sim em função da competência na gestão (neste caso hospitalar) representa defender o que de pior há na partidocracia e a defesa de uma das maiores causas de atraso do país...”

Mais pasmado fiquei quando, além dos 6 “likes”, recebo em poucos minutos a seguinte resposta, de uma outra pessoa: “Concordo (com a primeira afirmação). As politicas dos governos são para executar por pessoas identificadas e solidárias com elas. Desde que competentes como é óbvio e não apenas pelo cartão partidário “

Ainda deixei uma nota… “Se me disserem em que varia a gestão de um Hospital em função de pertença a dois partidos com a mesma matriz ideológica... E relembro que falamos de um sistema político-partidário que não tem o conceito de "Administração" que tem, por exemplo, o sistema nos EUA...”

Aguardo mais respostas… mas num resumo rápido: para estes jovens, uma administração hospitalar – que tem um trabalho de gestão - deve ser nomeada claramente por “identificação e solidariedade com as políticas dos governos”… Ora, que eu saiba, a competência mede-se de modo diverso, sobretudo em gestão: conhecendo-se o ponto de partido e definidos objectivos, mensuráveis, e dado um prazo e estabelecidos os meios disponíveis (humanos, financeiros e materiais), só tem que findo o prazo aferir-se o cumprimento dos objectivos… Este “favorecimento” partidário é uma das maiores causas de atraso do país, causador de ineficiência, desvios, corrupção, compadrio, decisões não baseadas em critérios de racionalidade económica, laxismo, … Defendê-lo, como sistema, desta forma (seja laranja, rosa, ou de outra cor), chega a ser chocante e, sobretudo, deixa uma sensação de pouca esperança para o país…

2011-12-11

Porto: mais uma menção para melhor cidade do mundo 2012!

Design Awards 2012 | Wallpaper

Image 121 Image 120 

diz Adriano Moreira...

Se escrevesse em inglês, Adriano Moreira seria um dos mais reputados especialistas mundiais em relações internacionais... Escrevendo em Português, é "apenas" o maior pensador lusófono nestas matérias. E continua a produzir pensamento como poucos... Por isso, as suas entrevistas, os seus livros e artigos são leituras sempre obrigatórias para quem quiser compreender o mundo e sobre ele ter opinião fundamentada, sobretudo para os falantes do português...

Organizações regionais deveriam passar a integrar Conselho de Segurança, diz Adriano Moreira

2011-12-10

Nobel para todas as mulheres

Pela primeira vez, o prémio Nobel foi atribuído a três mulheres…
Foi acima de tudo um Nobel da Paz que elogia luta das mulheres e homenageia a Primavera Arabe. Não é por isso de estranhar que hoje, na entrega dos prémios, uma das laureadas, a presidente da Libéria, Ellen Johnson-Sirleaf, e sua compatriota Leymah Roberta Gbowee, evocasseam os movimentos feministas da África e Ásia e lembrassem todas as mulheres que obtiveram antes o Nobel da Paz, com especial atenção à queniana Wangari Maathai - falecida neste ano - a primeira africana a obtê-lo, em 2004.
A Presidente da Libéria dedicou mesmo o Nobel a todas as mulheres… Enquanto a iemenita Tawakkol Karman, outra das galardoadas com oNobel da Paz 2011, lamentou não poder candidatar-se às presidenciaisprevistas para Fevereiro de 2012 no Iémen…

O drama: falta de liderança e de visão! Não basta “tentar”!

 

Este cartoon parece ilustrar na perfeição a semana transacta: ela demonstrou bem qual parece ser o mais grave problema da fase que vivemos, enquanto espécie: falta de rumo, falta de liderança, falta de visão, falta de visão e de consciência enquanto espécie…

Na União Europeia não houve acordo real. Não se ganhou capacidade para, por exemplo, “ter poder de fogo para reagir a cenário de colapso da Itália ou da Espanha” e, pelo contrário, criou-se claramente “cenário de Europa a duas velocidades”, havendo claro risco de isolamento do Reino Unido – o que tem sido “normal” desde 1973 (ano de adesão) mas agora de modo mais profundo do que nunca… pois foi único a ficar de fora do acordo, o que muito enfraquece o acordo, porém…

Mesmo internamente há críticas, e parceiro do Governo, o Partido Liberal, já veio demonstrar seu desagrado e preocupação com este cenário de isolamento… Claro que a posição alemã, que de algum modo impõe e submete os demais, forçando um pouco este isolamento, pode ser vista como a génese do problema… E. como muito bem aponta Vasco Pulido Valente, aceitar o acordo e a gestão da UE como tem sido feita, era pedir ao Reino Unido para se negar, pois nega o parlamentarismo, base da democracia britânica e Europeia… Mas o facto, visto de uma ou de outra forma, é que a Europa não respondeu, não foi capaz de gerar acordo, e está “no pântano” há longos anos, mais fraca que nunca, como nos diz Teresa de Sousa, e vista como fragmentada, dentro e fora do seu espaço…

Em Durban a Conferência da ONU sobre clima revelou que, à escala planetária, o cenário não se mostrou diferença: falta consciência da espécie enquanto tal, e isso pode ter custos demasiado caros… O acordo atingido não foi atingido, foi adiado, para salvar a face, e é improvável… Não morreu o processo parece ter sido única mensagem positiva de Durban, e mesmo isso já “obtido à beira do desastre das negociações”, e para não mostrar uma imagem de negociadores a “sair com uma mão cheia de nada e outra de coisa nenhuma”… Não por acaso a Greenpeace considera cimeira um fracasso diz que governos deveriam ter vergonha

E elas ainda crescem...

Exportações crescem 15,2 e importações caem 0,8
 
Calçado: já vendemos mais do que compramos, aos Italianos..
 
Mas o desemprego também cresce, e muito... no sector privado, apenas? A verdade é que, por exemplo no caso da Parque Expo, estamos perante empregos da orla pública… Mas o mais grave é tratarem-se de empregos altamente qualificados, de um know how criado e mantido durante anos em Portugal e que foi vendido a diversos outros países: a equipa da Parque Expo é uma das referências mundiais na área do saber sobre regeneração urbana! O que não é rentável é a gestão dos equipamentos da zona da antiga Expo, e esses podem ser alienados.  Mas fechar esta empresa é pedir que um outro país, uma outra economia, através de uma qualquer consultora, adquira a custo zero um valiosíssimo ativo que Portugal demorou anos e muito investimento a adquirir: um know how precioso e valorizado a nível internacional!!
Não tentar sequer alienar a empresa, e sim fechá-la, criando apenas desemprego de gente qualificada (na maior parte dos casos será por pouco tempo) é ter vistas muito curtas, de quem olha para contas da empresa e não compreende o que penaliza o seu balanço (a gestão de equipamentos) e, sobretudo, não consegue ver para além dos números globais – e por isso não compreende o factor “conhecimento” e o seu potencial… A isto chama-se falta de visão estratégica! 
 
E também cresce a nossa dívida externa… veja aqui porquê…
 

2011-11-23

A Tirania da Maioria, a Concentração de Poder... e os seus perigos!

A Democracia substantiva (a formal remete para o facto de se votar, tout-court. Nesse sentido regimes como o Estado Novo ou o Estalinismo invocam ser democracias...)

Mas a Democracia Substantiva exige e aponta para uma série de outros direitos e garantias, que incluem Direitos como a liberdade de expressão, de associação, de manifestação, mas também sistemas de controlo que impeçam abusos ou excessos de concentração de poder, e a preservação dos direitos das minorias. A vontade da maioria contrasta com direitos inalienáveis que não podem ser revogados nem por maiorias parlamentares ou referendos, por muito esmagadores que sejam essas maiorias.

Esta visão é devedora dos direitos "naturais" de Locke e da divisão dos poderes de Montesquieu. E por isso autores como John Stuart Mill falavam, com preocupação, dos riscos de Tirania da Maioria: ninguém tem razão por estar em maioria nem ser maioria justifica retirar direitos aos demais cidadãos. Os direitos dos cidadãos, sujeitos de direitos,

Serve isto para dizer que o nosso sistema está carente de se poder chamar democracia. A nível nacional são diversas as razões para se estar preocupado. Mas é na Madeira que a situação é de tal modo grave que se não se pode, de facto, falar de sistema democrático. E não só em prejuízo dos Madeirenses, mas de todos nós. Isto a propósito de duas notícias vindas no jornais de hoje:

- Um deputado do PSD pode votar por 25 na Madeira violando todos os princípios básicos da democracia e da democracia representativa. Então para quê uma Assembleia, se o Debate de ideias é nulo e considerado inútil?

- Três-milhões-de-euros-para-iluminacoes-e-fogodeartificio-na-madeira é evidente que o fogo de artifício é importante para a região, dada a sua aposta no turismo como modelo de desenvolvimento da região mas... 3 milhões de euros, na situação em que se encontra o arquipélago (e com ele todos nós!!) é algo que possa ser justificável?

Se a esta somarmos situações como o controlo dos meios de comunicação social, das próprias gráficas (!) ou a necessidade de "cartão do partido" para obter promoções, a percentagem superior a 30% dos empregos da região terem ligação directa ou indirecta ao Governo Regional, a não limitação do número de mandatos, o perfeito desrespeito por todas as instituições da República, sobretudo pelo Tribunal de Contas... compreendemos porque não se pode falar em Democracia na região autónoma da Madeira. E não há "obra feita" que justifique esta situação num Estado de Direito Democrático, até porque muita da obra revela-se inútil (outra não, com certeza).

A passividade do PSD e, mais inexplicável, a do PS, ao longo dos anos, torna a situação incomportável e insuportável. Se alguns falam em suspensão da democracia por alguns meses, para o país, penso ser urgente que o Estado de Direito seja reposto e, invocando a gestão danosa que é feita no arquipélago, e a inexistência de Democracia, seja alterada a situação política do arquipélago, suspendendo a Autonomia Regional ou criando mecanismos de controlo que impeçam este desvario e este desvio permanente em desrespeito pelos restantes portugueses, é urgente!

E a sensação de impunidade com que certas pessoas se movem prende-se com essa não democracia, de modo directo. Por isso mesmo as notícias sobre tudo o que envolve BPN se prende com pessoas que detiveram ligações políticas importantes (BPN na área do PSD, maioritariamente, e do Cavaquismo, em especial... como Duarte Lima em Oeiras; Faces ocultas e outros processos, quase sempre na área do PS) e por isso mesmo se fala e se justifica hoje um sentimento de revolta, e em necessidade de mobilização cívica, pois parece legítimo pensar e sentir apesar de tudo (e colectivamente cometemos erros, sobretudo no excesso de consumo e no endividamento), uma boa parte da crise é causada por poucos... que não só não governaram como "se governaram" ou deixaram outros "próximos" "governar-se"....

O sumo do Time to Inspire da EGP-UPBS

  • ‎"O final da vida pode ser uma inspiração para a vida toda...". Carlos Coelho sobre a apresentação de Filipe Portela... que nos deixou um forte momento de inspiração: "Deixem a paixão ser a inspiração!"
  • Não há nada mais inovador do que sermos nós próprios!…  E isso consegue-se combinando, de forma equilibrada, competências técnicas com competências comportamentais… Think about it !” António Paraíso
  • 'Ajudar a concretizar as ideias inspiradas dos outros e fazer disso a nossa inspiração', Catarina Roseira
  • ”Os 7 mandamentos: Estudar, Estudar, Estudar, Trabalhar, Trabalhar, Trabalhar, Trabalhar..." pois “Tudo se joga nas Atitudes, Valores e Padrões de Comportamento” Professor Êrnani Lopes, citado por Luís Maia
  • “Reduzir obstáculos e problemas, aumentar aprendizagem, amar a vida e...persistir", Nuno Faria
  • ´Deixem rasto, um bom rasto. Nas vossas empresas e na humanidade'. e... 'Se uma organização é boa para a sociedade, então é boa para ela própria' Maria João Teles Correia
  • Aprender sempre. Literalmente sempre. Não por necessidade, mas por filosofia.“ Pedro Barbosa"...enfocar num mix de ações que precisamos de fazer, que gostamos de fazer e que nos fazem aprender para atingir a felicidade sustentável…” Pedro Barbosa, autor de “Harvard Trends”, a sair brevemente
  • “Juntos, fora da caixa… com a nossa caixa… corremos, mudamos, apreendemos, acreditamos, criamos, arriscamos, fazemos e crescemos”, Miguel Beirão
  • "A chave para a resolução das birras das crianças não está em tentarmos mudar a criança, mas sim em mudarmos-nos a nós próprios." (...) "A forma como vivemos a relação com os nossos filhos só depende de nós: opte por ser um pai Coach em vez de um pai Tirano!!", Frederico Lapa
  • Que aquilo que és hoje seja inspiração para um melhor amanhã!”, Sara Magalhães
  • “You Inspire Me! – válida para todos vocês e pratiquem-na com todos os que estão à vossa volta!!” e Be the change you want to see in the World", Ghandi, citado por Pedro Castro.
  • "O caminho começa quando nos comprometemos" (…) e Acreditem no poder das metasFilipe Garcia
  • Usem sempre o dia para fazer um pouco de história, com tanta magia que jamais sairá da memória!” e "É preciso voar pelo céu do futuro batendo as asas rumo à saudade, pousando em cada momento uma eternidade.”, Jorge Sequeira
  • Sonhar, Persistir, Ser “sapinho” surdo e Autista aos arautos da desgraça…” e "Cada um deve começar a procurar a inspiração dentro de si mesmo! Mas ela está em todo o lado!", Carlos Coelho


Em suma: só há duas maneiras de ser inspirado: pelo amor ou pela dor. Carlos Coelho. // "Apaixonei-me… Pelos velhinhos. (...) Fui inspirado pelo amor." Filipe Portela, o justo vencedor do Time to Inspire


image


… Na realidade vencedores foram todos os que lá estiveram , pois saíram seguramente mais ricos… e mais inspirados! Obrigado à EGP-UPBS, Escola de Gestão do Porto – University of Porto Business School e à UPBS Alumni, pela iniciativa! Parabéns!

O Fado é de todos?

UNESCO começa hoje a analisar candidatura do Fado

2011-11-16

Pelo mundo fora...

Síria: o isolamento internacional levará à queda do regime, numa nova mudança em zona estratégica do globo...
A União Europeia que está a entrar em recessão, eventualmente mais política que económica, numa espiral negativa de que não se vê como vai sair... com Merkel a apelar à salvação do Euro?!?

Mas mesmo países emergentes como a China estão face a riscos, como o rebentar da bolha imobiliária após valorizações elevadas numa década em que foram construídos milhões de fogos ainda não ocupados... E se esta economia rebenta... 

E os novos centros de poder, difuso? Vão ao ponto de poder negar uma identidade...

2011-11-13

Em Portugal há um saber único...

Portugal era um grande exportador de claras de ovo (Serviam para engomar roupa e clarear vinho) pelo que tinha excedente de gemas... resultado? Criamos os doces conventuais, iguaria única no mundo..
Soubemos criar riqueza e algo maravilhoso aproveitando "desperdícios" e recursos não explorados... Um exemplo!

E porque isto se passou nos conventos... Porque não uma visita a um dos mais importantes edifícios religiosos nacionais? Recomenda-se vivamente:
XIII Mostra Internacional de Doces e Licores Conventuais - Mosteiro de Alcobaça

China: quer maior protagonismo

algo de que já se falou neste blog, mais que uma vez... há um novo mundo a desenhar-se... China: PR defende maior protagonismo dos países emergentes ....

World Map - taken in China

2011-11-09

O relógio da dívida pública mundial...

World debt comparison: The global debt clock | The Economist

A sustentabilidade do Serviço Nacional de Saúde

O Fórum Portucalense receberá o Dr. José Manuel Silva, Bastonário da Ordem dos Médicos, para debater "A sustentabilidade do Serviço Nacional de Saúde".

O jantar-debate terá lugar no próximo dia 9 de novembro, 4.ª feira, às 20h, no Hotel Infante de Sagres, na Praça Filipa de Lencastre no Porto.

As inscrições terão um custo de €30 para sócios e de €35 para não sócios e poderão ser efetuadas no site do Fórum Portucalense, ou por e-mail para geral@forumportucalense.pt

O Fórum no facebook

Veja algumas noticias sobre SNS, aqui, aqui, aqui

2011-11-03

Guerra?

Passámos toda a segunda metade do Século XX sem falar em Guerra. Foi o maior período da história da Europa em que tal se deu. Mais: foi a primeira vez desde Roma (e mesmo antes) que na mente dos Europeus a Guerra não s afigurava como uma das vias para resolução de conflitos ... Mas parece que esse tempo, talvez o melhor que alguma vez este Continente viveu... está perto do fim... É essa a opinião de, por exemplo, Nicolau Santos: A implosão do euro ou a guerra


2011-11-02

Dizia…

‎"Nós estamos num estado comparável apenas à Grécia: a mesma pobreza, a mesma indignidade política, a mesma trapalhada económica, a mesmo baixeza de carácter, a mesma decadência de espírito. Nos livros estrangeiros, nas revistas quando se fala num país caótico e que pela sua decadência progressiva, poderá vir a ser riscado do mapa da Europa, citam-se em paralelo, a Grécia e Portugal"
(in As Farpas) Em 1872, Eça de Queiros

Ora, a nossa proximidade e similaridade com Grécia é ainda hoje uma realidade… e a hecatombe Grega pode também tornar-se em tragédia Portuguesa, com a catástrofe social e o desemprego a somarem-se a uma crise financeira, económica e, sobretudo, moral…

“Que fazer? Que esperar? Portugal tem atravessado crises igualmente más: - mas nelas nunca nos faltaram nem homens de valor e carácter, nem dinheiro ou crédito. Hoje crédito não temos, dinheiro também não - pelo menos o Estado não tem: - e homens não os há, ou os raros que há são postos na sombra pela política. De sorte que esta crise me parece a pior - e sem cura.” Eça de Queirós, in “Correspondência” (1891).

PS: com um enorme obrigado a Carla Tiago…

2011-10-31

Porto, My City Break Destination... um contributo!

Budget desta Campanha? Quase 0 (umas dezenas de euros, no máximo...!)!

O Turismo de Portugal tem de entrar no "novo mundo" e... deixar os Allgarves que nem a indústria hoteleira local apoia!

2011-10-30

Guardian...

Neste artigo o The Guardian traz uma visão sobre Portugal e os seus esforços... No final veremos se o que se espera, em termos de fecho de empresas e aumento do desemprego nos próximos seis meses não acabará por gerar não apenas uma alarmante situação social, como desassossego mas, pior ainda, gerar uma situação dramática de quebra de receitas e... aumento de despesa por ia de despesas sociais e subsídios desemprego... gerando um efeito final inverso ao desejado... com aumento do deficit! Pode acontecer...

Pedro Passos Coelho, the Portuguese prime minister. Photograph: Miguel A Lopes/EPA

Porto é "só" o 4º melhor destino do mundo para 2012! (Lonely Planet)

Este pequeno artigo faz mais pelo turismo do Norte de Portugal do que todo o orçamento do Turismo de Portugal: Top 10 best value destinations for 2012 - travel tips and articles - Lonely Planet

Uma das fontes reais do problema...

.... é interna, e colectiva... Poupança: Portugueses poupam atualmente menos de metade do que poupavam nos anos 1970 e 1980

2011-10-21

Injeções...

Injectasse o Estado o valor que deve às empresas e aos bancos, e a crise seria menorizada substancialmente, seja a económica, seja a financeira, seja a moral e de confiança!
Se calhar, o melhor para o conseguir, é o boicote ao Estado... Medicamentos só pagos a pronto pelos hospitais

2011-10-18

Afinal o mundo ainda é o que pensavamos ser...



Afinal o mundo ainda é o que pensavamos ser... ou pelo menos o qur pensavam os mais brilhantes cérebros da física e da matemática... Sobretudo aquele senhor da língua de fora e da farta cabeleira... :-)

Está tudo em:  Neutrinos 'mais rápidos que a luz': Afinal Einstein tinha razão

2011-10-06

Stay Hungry! Stay Foolish! Find what you love!

Uma homenagem a Steve Jobs pode ser feito relembrando as suas próprias palavras, num discurso inspirador que já tinha sido colocado neste blog, o seu discurso de início de ano - commencement address (texto integral, aqui) - aos alunos da Universidade de Stanford em 2005 - ele que nunca acabou qualquer curso superior... mas encontrou o que amava pois, como dizia:

"You`ve got to find what you love"...

2011-09-04

Parque Expo e a economia do conhecimento...

Afinal extinção da Parque Expo é complexa... relembramos que... já aqui escrevemos sobre este assunto.... A Parque Expo é sobretudo, para além de uma gestora de equipamentos e de uma entidade que gerou enormes proveitos, uma empresa que desenvolveu e acumulou competências, saberes e capacidades que são reconhecidas internacionalmente... Por isso exporta... Conhecimento! ... A tal base do paradigma económico do século XXI....

Uma opinião a ler...

A vingança de Keynes sobre Hayek - Opinião - Jornal de negócios online

2011-08-30

Jamie Olivier on ... Porto :-)


Jamie Olivier escreve sobre... o Porto... e os portuenses :-)



Não temos de desistir de Portugal... por preço nenhum!

Há reflexões que não perdem atualidade... infelizmente!


Em Junho de 2010,  numa última grande entrevista, no “Plano Inclinado”, poucos meses antes do trágico agravamento do seu estado de saúde, o Professor Ernâni Rodrigues Lopes apresentou uma reflexão que, como ele próprio diz, resulta de anos e anos de pesquisa, estudo e reflexão. Ela mantém, e manterá, toda a sua atualidade. Ela é, e deveria ser, obrigatória. Para todos, sobretudo para os que são, foram ou pretendam ser governantes, como diz João Duque, ao minuto 45 deste video.



Recomenda-se um visionamento completo, mas sobretudo do minuto 25 até ao 35 e do minuto 42:30 até ao final...


Ao minuto 29: “O conjunto de Valores, Atitudes e Padrões de Comportamento é que marcam uma dada sociedade ou uma determinada pessoa. Tudo sai desta camada. (..) Se os Valores, Atitudes e Padrões de Comportamento forem de laxismo, desonestidade, preguiça, não há taxa de juro que chegue. É uma mentira! A economia não se faz apenas com medidas superficiais. A economia faz-se com seres humanos e organizações humanas. O que gostaria de pedir a todos os Portugueses é atenção para isto. É o verdadeiramente decisivo. E isto tem aplicação prática imediata: o que é que nós ensinamos aos nossos filhos? (…) Ninguém nasce ensinado. Com os pais, com a escola, com o dia-a-dia da vida, aprendemos quais os valores que nos moldam. A pergunta que temos de nos pôr é quais são os valores que moldam as nossas crianças. São os da golpada permanente ou são os do trabalho sério. Esta escolha, que é feita por milhões de Portugueses sem votar, actuando em casa, é a que condiciona a economia portuguesa. Não é exagero dizer que condiciona o PIB (a criação de riqueza, o “Produto Interno Bruto”). O PIB é o resultado de milhões de decisões, e estas estão na base de tudo“.

E chega, ao minuto 31, a este quadro:

image


Quando Mário Crespo lhw diz que se trata de uma "revolução", Ernâni Lopes responde: “isto é apenas educar bem!” e, já ao minuto 46:30: : “Fazer isto, aplicar o quadro, substituir o “onde está…” pelo que está na coluna “pôr” é assegurar que Portugal tenha um futuro digno, porque um futuro sem qualificar, todos temos (…) e há muita gente boa! (…) Nós não temos de desistir de Portugal por preço nenhum! Insisto nisto! Portugal é os Portugueses que já morreram, os Portugueses que estamos vivos e os Portugueses que ainda não nasceram. E por isso o fundo da questão é o longo prazo, não é o trivial do dia a dia. (…) O essencial está nas nossas cabeças. O futuro de Portugal está na cabeça dos Portugueses!”.


Obrigado, Professor.


PS: o outro video, o do 1º programa, está em 

Oficial: Chocolate protege coração e evita AVC :-)

Bem me parecia:
       

2011-08-27

Visões… Curtas?

Acaba o post anterior: “Ao nível ainda mais profundo, várias questões mostram como o país é por vezes gerido com falta de visão e inteligência, ou pelo menos parecem levantar sérias dúvidas, legítimas, sobre se não precisamos de líderes novos, com visão mais estratégica e menos tática…”… Alguns casos:

  • a extinção da Parque Expo e de outras duas empresas “conexas”: por um lado parece esquecer que a Parque Expo trouxe resultados muito positivos ao país - 44 mil milhões segundo um estudo recente; por outro porque pode ter custos incomportáveis no curto prazo para o… deficit de 2011 (!) e porque vai ainda implicar… a nomeação de uma nova Administração! Mas a empresa, em si, poderia ser vendida, ou pelo menos alguns dos seus ativos (Pavilhão de Portugal, Pavilhão Atlântico, etc.), não precisava ser encerrada. Porque sobretudo, e aqui a verdadeira crítica: a Parque Expo, independentemente de erros e abusos, conseguiu tornar-se um centro de CONHECIMENTO reconhecido a nível mundial, em políticas urbanas e regeneração de tecidos urbanos. A Parque Expo ganhou contratos em locais como a China (Shangai), Argélia, Tunisia, Marrocos, Espanha, Brasil, Angola, Moçambique, … Ou seja: é uma empresa com capacidade exportadora, uma empresa baseada em CONHECIMENTO na época da economia do… conhecimento!! Ou seja: o Estado Português tem um activo precioso e PORTUGAL tem um ainda mais valioso – o SABER! – e que faz o Estado: olha apenas para a tesouraria e nem sequer vende empresa, encerra-a!! O que acontecerá? simples: os quadros irão fugir para outras empresas, privadas, alguns para fora do país... (pode alienar-se património, é muito mais grave alienar, sem receitas, pessoas e para mais pessoas com conhecimento....)
  • E podemos pois dizer que, em termos de políticas de cidade, um dos eixos fundamentais do desenvolvimento das sociedades modernas, Portugal tem os dois extremos: o pior e o melhor. Algumas autarquias – poucas – têm políticas e visão notáveis, a maioria nem por isso. A gestão das redes de transporte (poucos estudarão a fundo modelos possíveis. e das políticas ambientais toca nos dois extremos). Num país com excesso de habitações por habitante e ainda maior excesso de proprietários de casa própria (hipotecada) a lei do arrendamento e o incentivo ao mercado de arrendamento deveria ser prioritária. Até a Troika o disse. Aparentemente a banca, que em muito ajudou ao endividamento excessivo dos portugueses e de Portugal, continua de olhos fechados a esta necessidade – exceção para a CGD, aparentemente, que decidiu ajudar o Governo nesta direção da aposta no arrendamento.
  • Olhando para o território e para a economia de modo lato, a falta de uma clara política de transportes e, sobretudo, a falta de articulação de uma política ferroviária com a portuária e aeroportuária, que aqui já referimos, e que denota uma falta de visão estratégica desde os anos 80 (carga, mais do que passageiros!), quando se deu o início do desinvestimento. O resultado é este mapa… quase vazio e em esvaziamento! Os custos em termos de poluição, tempo e custos financeiros imputados às mercadorias não são pequenos…

Mapa_Rede_Ferroviaria_2_copyright

  • Os indicadores perda de empregos autónomos (auto-emprego) é uma tendência em vários países mas Portugal está “demasiado bem colocado”. A aposta no empreendedorismo não está a ser ganha! Precisamos rapidamente implementar medidas inovadoras e seguir o exemplo e as ideias de Diogo Vasconcelos, no seu “inovação Social”! Ligado ao empreendedorismo, a inovação. Por isso aqui deixamos um outro artigo a merecer reflexão: de Carlos Zorrinho sobre Inovação.
  • E por falar no responsável pelo Plano Tecnológico e depois Secretário de Estado da Energia… outro assunto importante: a dependência energética é o maior de todos os deficits nacionais. Logo, a questão de menorizar consumos não responde. Abre-se a oportunidade das renováveis? Defendem uns que sim, mas há quem defenda que essa aposta nas energias renováveis é excessiva e deve ser reduzida… Mera contabilidade e falta de visão, ou … Um debate que deve ser levado a sério!
Default template


  • E depois… como sempre… a educação… Lê-se que: “novo programa de portguês tem na base documento que Ministro considera inútil”… Será que vai ser alterado de novo para o ano?? Estamos numa era em que a capacidade de aprendizagem é mais importante do que a mera enumeração de conteúdos. Assim sendo: será difícil chegar a um consenso sobre programas e fazê-los ser independentes das mudanças políticas conjunturais e sim adaptáveis às mudanças significativas no mundo (Ex: as tecnológicas e científicas)? Poupavam-se recursos e sobretudo dava-se estabilidade a um sector fundamental e a muitas famílias!
  • Ligada à educação….a questão da iliteracia também merece atenção, quando pensamos que não, um trabalho de fundo mostra bem os custos económicos desta maleita da sociedade, muito recomendado.
  • A linha de evolução do nosso deficit mostra qual a fonte dos problemas… Há uma irresponsabilidade política em Portugal. E por sentirem isso alguns querem colocar os limites ao deficit nas Constituições. Cavaco Silva mostra-se totalmente contra, no facebook. Mas Cavaco Silva, precisamente o homem da rodovia e do “betão” e “infraestruturas” em detrimento do “saber” e das “pessoas”, conta-se entre os principais responsáveis e agentes dessa irresponsabilidade. Há números que não deixam grandes dúvidas. Este artigo de opinião não deixa grande dúvidas. Se se basear em dados errado, então deve ser contestado pelo Presidente. Mas o facto de termos tido praticamente só Ministros das Finanças sem experiência empresarial também pode ajudar a explicar algo (apesar de que na sua maioria foram homens de elevada craveira intelectual e seriedade)…
Em suma: em muitos aspectos Portugal ainda é um bom sítio para se viver. Que o digam muitos imigrantes, melhor aqui que no seu país. Mas Portugal vive ainda segundo velhos padrões em vários aspectos. Para amenizar, há que sorrir, senão rir. Aqui se deixa uma história divertida… de “faca e alguidar” à antiga!

Saúde, Autarquias, Justiça e… a Gestão Pública

Uma notícia/anúncio de Março que, a realmente acontecer, poderia realmente marcar uma diferença para as empresas? Sim, pelo menos para as exportadoras: a devolução imediata dos seus créditos de IVA que foi anunciada, em Março, como tendo início a 1 de Setembro… A notícia carece de confirmação… dentro de dias!


Uma outra notícia, mais recente, é uma entrevista importante, e sobre a qual é importante refletir (sobretudo para os lados do Rato creio que deve ser mesmo lida com atenção)… que pode ser reveladora… Correia de Campos elogia Paulo Macedo, dizendo que poderá ser um excelente Ministro, e aponta o dedo a Manuel Alegre e, pasme-se (!), a António Arnaut (o “pai” do SNS – Serviço Nacional de Saúde) como responsáveis no caso de este ter de ser desmantelado…


Falando ainda de Paulo Macedo, Ministro da Saúde: deverá estar contente com a indicação de um tribunal para que se implementem as receitas por princípio ativo e não por marca… Alguns médicos, as farmacêuticas que fazem investigação e alguns cientistas da área da medicina explicam que isso pode não ser nada bom em termos de saúde pública, sobretudo em algumas doenças e alguns pacientes, mas para os farmacêuticos e para os cofres do Estado pode ser benéfico… O mesmo contentamento de Paulo Macedo e Victor Gaspar com os limites nas deduções de despesas de saúde em sede de IRS e com o anúncio do Ministro da Economia de “cortes históricos”…  (já a Ministra da Agricultura, ainda em fase de aprendizagem sobre o que é o sector, segundo a própria, já pede redução de impostos… Contradições?).


A questão da margem de manobra do líder do PSD e deste Governo, e as suas implicações para os resultados da sua acção, é reforçada pela notícia fala do lançamento de obras públicas pelo Governo Regional de Alberto João Jardim logo após declarar-se perto da insolvência… a impunidade garantida pelas vitórias sucessivas na Região Autónoma implica manter sempre as lideranças do PSD reféns… Este sistema tem uma réplica, ainda que mais fraca, ao nível do poder autárquico. Por isso há dúvidas sobre o alcance do “choque administrativo” que Governo promete (suspeita-se do que no final isto irá dar, pois o PSD vive muito do seu poder autárquico pelo que margem de manobra de Passos Coelho é reduzida! E aguardam-se também os cortes ou limitações nos feriados e pontes… que também terão resistência forte, previsível, até da Igreja…).


As autarquias, apesar de cortes no pessoal, parecem incapazes de diminuir despesa e colocar pagamentos em dia - só às Águas de Portugal, Holding pública, as Autarquias devem, alegadamente, 300 milhões de euros!! Saúde e Autarquias parecem, pois, ser os sectores mais críticos para as contas do Estado: 86% das dívidas em atraso do Estado vem dos Hospitais ou das Autarquias

Mas a preocupação com a qualidade da gestão pública em Portugal (mas não só entre nós) é mais lata: notícias como as que explicam como, ainda antes da saída do PS do Governo, fundos de pensões públicos (CGD, …) “salvam” o “campus de justiça” numa medida com pouca racionalidade económica…


Paulo Macedo está ainda na berlinda pois a divulgação de rendimentos do Governo permite concluir que é quem mais dinheiro perdeu ao ir para o Governo, pois era quem mais ganhava entre todos os Ministros… Paulo Portas está no outro extremo, com o menor rendimento em 2010…


Ao nível ainda mais profundo, várias questões mostram como o país é por vezes gerido com falta de visão e inteligência, ou pelo menos parecem levantar sérias dúvidas, legítimas, sobre se não precisamos de líderes novos, com visão mais estratégica e menos tática… Sobre isso escreveremos muito em breve…

2011-08-25

Portugal… Positivo! (pelo menos visto por fora…)

Nesta altura é importante compreender e focar no que temos de potencial e de positivo. Alguns exemplos:

O FC Porto, que mesmo sem Falcão e Álvaro Silva conseguiu um jogo mais equilibrado com o Barcelona do que o Manchester United na última final Europeia, é dado como exemplo de gestão, seja na Marca (jornal desportivo espanhol), seja no site oficial da UEFA num artigo com o título “ The Porto production line” -

A política Portuguesa anti-drogas e os seus resultados têm sido dados como exemplo internacional, inclusive por grandes especialistas da ONU e personalidades, pelo Cato Institute e até pelo Finantial Times, sendo até recomendada a Obama, como já referimos mais do que uma vez neste blog, e é-o de novo. Claro que está envolta em polémica (política de sucesso ou falhanço rotundo?) e… sujeita a cortes que a podem suspender…

Os museus portugueses ganharam prémios internacionais recentemente, e vários são agora aconselhados por um roteiro britânico. Também a Estação de Comboios de São Bento é recomendada, como das mais bonitas do mundo. Já o Museu de Serralves assinou um acordo com o Museu Rainha Sofia que permitirá troca de coleções e outras iniciativas comuns.

Apesar de não se saber por quanto tempo, a resiliência dos portugueses – muitas vezes apontadas como uma das nossas características mais fortes – é elogiada, na forma de resistência às medidas de austeridade.

Avanços no conhecimento e na tecnologia, como a descoberta do “segredo da loirinha” e a criação da embalagem tecnologia, primeiro resultado do centro de nanotecnologia de Braga, um excepcional investimento… público, luso-espanhol.

Paulo Portas, novo MNE, aponta mesmo como fundamental: quando defende a “diplomacia do croquete” e a importância de trabalhar a percepção externa. Claro que os 400 telegramas divulgados não ajudam …

2011-08-23

Portugal visto de fora: especial “Universidades”…

Segundo o “ranking” recentemente publicado pelo TOP STUDY, Portugal tem duas Universidades entre as melhores 200 do mundo. Curiosamente, a melhor universidade Portuguesa, neste ranking, é a do Universidade do Minho, em 151º, seguida de perto pela Universidade do Porto e, já mais longe, pela Técnica de Lisboa, Coimbra, Lisboa “clássica” e Nova de Lisboa.

Top Universidades

Já segundo o ranking QS – World University Rankings (TOP UNIVERSITIES), talvez o mais vezes citado (ex: US News; University List), Portugal não tem nenhuma Universidade entre as 350 melhores do mundo, sendo a 1ª nacional a Universidade Nova de Lisboa, em 384º. que ultrapassou pela primeira vez a Universidade de Coimbra, que ficou agora em 396º. A Universidade do Porto surge em 3º , em 451 a nível mundial.

Top Universities

Se nestes rankings a Universidade do Porto surge em 2º e 3º entre as Portuguesas, em vários outros surge como 1ª universidade Portuguesa. No Academic Ranking of World Universities (ARWU), vulgarmente conhecido como ranking de Shangai, a Universidade do Porto surge como a melhor Universidade Portuguesa, entre as 400 melhores do mundo, enquanto a segunda, a Universidade de Lisboa, se situa entre os lugares 401-500.

Univs Shangai Ranking

Também no Webometrics Ranking of World Universities do Cybermetrics Lab - um centro de investigação do Consejo Superior de Investigaciones Científicas (CSIC), o maior centro de investigação público Espanhol, a Universidade do Porto lidera entre as Portuguesas, em 178º lugar global, seguido da do Minho (253º) e da de Coimbra (320º).

univs webometrics spanish ranking

De acordo com o Diário Digital também no Times Higher Education World Ranking (anteriormente este ranking era conjunto com o QS) a Universidade do Porto surge como a melhor Universidade Portuguesa, entre as 250 melhores do mundo e 106º entre as Europeias, num ranking muito citado e que se irá impor pelo seu impacto mediático.

Onde a Universidade do Porto se tem distinguido, com poucas dúvidas, é no Ranking do Conselho de Educação Superior de Taiwan, o HEEACT que usa o h-index como base (critério baseado nas citações internacionais) que é por isso designado por “Scientific Papers Ranking”, e tem sido muito valorizado nos meios académicos e em várias conferências internacionais, artigos, blogs, etc.

Estes dados podem ser contrapostos, porém, com o estudo (de 2005) de Luís Sousa Lobo, ex-Reitor da Universidade Nova de Lisboa, que se baseou no número de artigos publicados por docente como critério chave, e não no número absoluto de artigos, colocando a Universidade de Aveiro numa liderança clara, seguida pela do Algarve e… pela do Porto, e que defende que as Universidades deveriam ser financiadas pela sua orientação para a investigação.

Em suma, há rankings de universidades para diversos gostos, dependendo dos critérios… Aqui fica uma espécie de possível resumo… Este artigo de fundo, de João Patrício, IST, de 2008, explica em detalhe as diferenças.